terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Finalmente! Revista Veja assume, e revela, sua verdadeira natureza...

Já não era sem tempo...!

Finalmente a revista veja assume sua verdadeira natureza...

Para quem gosta de “fantasias”... É um prato cheio.

Em @ChargesHumorCia

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Apesar do eufemismo: ‘O psdb criou uma 'organização criminosa complexa'... É quadrilha, mesmo!

aécio e azeredo
É como ‘falamos’ aqui, ontem. O porquê de o psdb ‘contaminar’ o noticiário – por mais que a mídia associada tente ocultar – e seu protagonismo nos bastidores do poder alienando a coisa pública, tanto em benefício próprio, como em beneficio do capital multinacional, como verdadeiro lesa-pátria.

O que surpreende é o domínio, embora conte com a cumplicidade da mídia, notadamente o globo/jn pelo seu alcance nos corações mentes de tantos brasileiros – é o domínio eleitoral.

Casos como os 20 anos de poder no governo paulista chegam a lançar por terra o axioma que, como todo preconceito, carece de base real, concreta, que seria a qualidade, entre aspas, do voto paulista. Isto para ficar só no Palácio dos Bandeirantes, relevando Senado, e Câmara dos Deputados, além de prefeituras no Estado como um todo.

Cito São Paulo, como um símbolo emblemático da situação, deste domínio psdb/mídia, já que a situação não é diferente em outros locais, como Minas Gerais, por exemplo.

É o que vai ler no texto abaixo, como funciona a coisa. É a formação de quadrilha, literalmente, para espoliar a coisa pública, com o respaldo dos votos... Como poderíamos defini-los?

Alienados? 
O PSDB criou uma 'organização criminosa complexa'
O ex-governador tucano foi condenado a 20 anos de prisão por lavagem de dinheiro e peculato. Juíza destaca a complexa rede criada para sustentar reeleição. 

O ex-governador tucano foi condenado a 20 anos de prisão por lavagem de dinheiro e peculato. Juíza destaca a complexa rede criada para sustentar reeleição.

Na sentença proferida no dia 16 de dezembro de 2015, a Juíza melissa Pinheiro Costa Lage Geovanardi, de 9ª  Vara Criminal de Belo Horizonte, concluiu que “diante de todo o conjunto probatório que fora exposto, não restam dúvidas de que o acusado EDUARDO BRANDÃO AZEREDO, para disputar a reeleição ao cargo de Governador do Estado de Minas Gerais, no ano de 1998, criou uma estrutura político-financeira a fim de legitimar, lavar, os vultuosos recursos que seriam utilizados durante a campanha. Criou-se uma organização criminosa complexa, com divisão de tarefas aprofundada, de forma metódica e duradoura”.

“Foi criado um caixa robusto para a campanha eleitoral, com arrecadação de fundos de diversas fontes, inclusive de recursos públicos da COPASA, da COMIG e do BEMGE, aproveitando-se do uso da máquina pública. Utilizando-se das empresas de publicidade de propriedade de MARCOS VALÉRIO FERNANDES DE SOUZA realizou-se o processo de legitimação do dinheiro ilícito e sua distribuição aos colaboradores da campanha, recursos esses que não constaram na prestação de contas apresentada perante a Justiça Eleitoral pela coligação PSDB-PFL”.

O ex-governador tucano foi condenado a 20 anos e 10 meses pelos crimes de lavagem de dinheiro e peculato, que corresponde ao uso do cargo público para o desvio de dinheiro público. A sentença completa pode ser lida na página do Tribunal de Justiça de Minas Gerais – http://goo.gl/yOTvgq

Na sentença, ajuíza salienta que “Diante de todas as provas acostadas e analisadas, não há outra conclusão que não seja a de que a autoria restou devidamente comprovada, sendo certo que o acusado, juntamente com seus pares, planejou o determinou a execução de toda a empreitada com seus pares, planejou e determinou a execução de toda a empreitada criminosa a fim de desviar dinheiro público das empresas estatais...”.

Esta engrenagem corrupta, que contaminou o sistema político brasileiro, foi inventada pelos tucanos nos anos 1990, e envolveu personagens e empresas conhecidas posteriormente no chamado “mensalão”, como Marcos Valério, Cristiano Paz, Ramos Hollerbach, AMP & B Publicidade Ltda, DNA Publicidade e Banco Rural.

Nos escândalos atuais da Petrobrás, é instigante que tanto os personagens da era tucana como os mecanismos de corrupção e propina se repetem hoje.

O PSDB fez de tudo para impedir a apuração e o julgamento da “organização criminosa complexa” que criou em Minas Gerais, assim como fez em relação à corrupção que implantou na Petrobrás no período FHC e com fez em relação aos escândalos que se sucedem em São Paulo nas duas décadas de governos tucanos naquele estado.


Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

domingo, 14 de janeiro de 2018

Porque a presença 'excessiva' nas manchetes, e nas entrelinhas do noticiário, do “nome” PSDB

É verdade.

O fato de o ‘nome’ do psdb (o ‘nome’ em minúsculas é para retratar a verdadeira dimensão do partido), suas ‘vibrações’ ou influências “politico-estratégicas” contaminarem tanto o noticiário, assim como as páginas deste blog são, como poderia dizer? Inevitáveis.

Inevitável porque além de sua ‘explicitude’ na vida política com sinal negativo hoje, ele tem um histórico que transcende o seu nome atual e já fez, e faz, das suas no cenário político e nos interesses e destino do país, sempre em detrimento dos interesses da população e do Brasil e a pleno serviço de interesses estrangeiros, notadamente os EUA.
Leia também: E aí o que achou do “horário político no faustão”?. "Coisas” da globo...
Logo, em nosso blog não poderia ser diferente, pois, embora o blog não seja ‘partidarista’, no sentido direto de opção por um partido político, tem uma postura que visa tentar entender os bastidores – entre aspas, se quiser – do que rola país afora, logo, a ‘exposição excessiva’ do ‘nome’ do dito cujo, é, mesmo, inevitável, sobretudo nesta conjuntura pré e pós-golpe.

Uma expressão que permeia a nossa ‘atuação ‘ aqui poderia ser definida como: Cuidado com o voto. É, cuidado com o voto, já que existe certo costume de se votar em pessoas, independente do que ela, efetivamente, pensa/faz e da ideologia, de fato, que está por trás do seu nome e de seu partido político.

É só um ‘esclarecimento’.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sábado, 13 de janeiro de 2018

Taí, mais um candidato que crê piamente na leseira do eleitor. Pelo visto sabe bem o que está fazendo

moro e huck. O esquema é o mesmo, só muda o nome...
O candidatinho global continua acreditando que você – seu potencial eleitor – é, mesmo, um babaca...

Está apagando imagens comprometedoras suas nas redes sociais que atestam suas relações do passado, sobretudo de amigos acusados de corrupção, que possam não ‘bater’ com sua nova carinha de bom moço de candidato solução do Brasil, que promete ‘fazer um povo diferente’, (???) como insinuou em seu ‘programa eleitoral globo/faustão’.

Ele sabe muito bem o que está fazendo, e não inventou o recurso. Outros candidatos do mesmo naipe já andaram fazendo isso. Pelo visto com sucesso. Haja vista a ‘turminha’ que andou saindo das urnas...
"Possível candidato, Luciano Huck apaga fotos com acusados de corrupção
Luciano Huck que a pouco tempo fez discurso no Programa do Faustão, falando de combater a corrupção e viu se diante de uma enxurrada de críticas nas redes sociais, tentou já no ano passado apagar seus vínculos muito próximos com Aécio Neves, Sérgio Cabral e Joesley Batista da JBS, segundo reportagens, com Aécio após os áudios avassaladores contra Aécio e também apagou fotos com Joesley, do qual os dois pareciam ter uma boa proximidade.

Luciano Huck está aparentemente arrependido das amizades que fez no passado. Agora o apresentador da Globo eliminou as fotos que tinha no Instagram ao lado de Joesley Batista, dono da JBS.

O empresário, responsável por fazer delações contra o senador Aécio Neves (PSDB – MG), aparece com Huck em um iate em alto mar, em um encontro que ainda reuniu o sertanejo Bruno e as suas respectivas esposas.

Segundo a colunista Keila Jiminez, anteriormente o apresentador já teria apagado fotos aolado de Aécio, candidato que ele apoiou nas eleições de 2014. Huck, inclusive, já concedeu entrevista sugerindo que não descarta concorrer à presidência no ano que vem.

Em GGN

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

‘Filho de peixe peixinho é’ (sem querer ofender aos peixes). Veja o caso bolsonaro

Sendo filho de quem é... Não chega ser lá a essa novidade – ou absurdo – toda, não é verdade? Dá até para criar uma frase clichê: “Nunca se falou, ou se ouviu, tanta asneira e em tão pouco tempo como aquelas do tal do bolsonaro...”.

A dúvida é. Será se os seus hipotéticos eleitores sabem, mesmo, sobre o que ele pensa (???) e fala, ou se a leseira é tão grande que nem ficam sabendo...

Pensando bem. É preferível a segunda hipótese, pois caso fosse a primeira teríamos que admitir que mais gente pensaria (???) assim...

Mas voltando a “cria”... Puxou ao pai, não é verdade?

Só um lembrete. A ‘coisa política’ nesses moldes... É tão boa que toda a família bolsonarista (3) é política. Veja algumas informações sobre o “sucesso” da família na política, no final do artigo.*
“Filho Bolsonaro apaga tweet defendendo “Bolsa Família só para quem fizesse laqueadura ou vasectomia”
Carlos Bolsonaro, filho do pré-candidato à Presidência da República, apagou uma postagem em seu Twitter onde defende que os beneficiários do programa Bolsa Família façam vasectomia e laqueadura.

Para o filho do militar da reserva, principal expoente da direita mais reacionária do Brasil, essa atrocidade seria uma forma de “estancar a ferida econômica e ainda combater a miséria e a violência”.

O tweet foi apagado, mas a internet é rápida. Apesar da publicação original ser de 2014, o print do post está circulando nas redes, causando indignação.

Carlos Bolsonaro foi eleito vereador do Rio de Janeiro com 17 anos de idade. Hoje, aos 35, está no seu quinto mandato.

Do Blog Segunda Tela
*Se acha que é tipo intriga da oposição, leia-se petismo & Cia, estes links o direcionam para um artigo da folha e outro da veja...  A não ser que eles tenham se convertido...
Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Piada pronta: Reajuste do mínimo abaixo da inflação pode ir parar no STF, (no stf?) dizem advogados

stf... Como se fosse ‘alguma coisa’ a que pudesse recorrer para se fazer justiça em tempos tão bicudos... (ia incluir literalmente... tucanos... que têm bicos grandes) É tudo que o interino precisa para ratificar suas mazelas, seus “atos de governo”...

Sócio de primeira hora do golpe...

Jornal – folha/uol –  divulga o clichê, aquicomo forma de disfarçar, para posar de mídia... De dar alguma ‘cara’ do que, decididamente, não é... Já que, também, faz parte do “staff” do golpe & Cia.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Finalmente a cara “cuspida e escarrada” do ‘governo’ temer. A ministra do trabalho

É como diria o ‘outro’... A indicação da ministra do trabalho com seu passivo legal na justiça do trabalho, “é a cara cuspida e escarrada” do (des) governo do interino...

O que o dito cujo, interino, vem ‘promovendo’ na vida do trabalhador...

O pior é que tem trabalhador, e como! Que apoia tudo isso... Mas, a bem da verdade, nem podemos ‘culpá-los’, pois quem tem uma globo/jn na cabeça diariamente... Não poderia ‘pensar’, nem ser diferente.

Alienação pouca, é, mesmo, bobagem...
“Quem ornaria melhor que Cristiane Brasil com um governo ilegítimo, corrupto e inimigo do trabalhador? 
Temos uma mulher em um ministério do governo Temer – composto, por algum tempo, por homens brancos e velhos.

Mas no Brasil atual, até as notícias que parecem boas são ruins: a mulher em questão se chama Cristiane Brasil e assumiu o Ministério do Trabalho indicada pelo papai, Roberto Jefferson.

Roberto foi condenado por corrupção – ter sido condenado parece ser um requisito para fazer parte do governo Temer – e a própria Cristiane foi condenada ao pagamento de 60 mil reais por dívidas trabalhistas – (não costumava assinar a carteira de trabalho de seus motoristas particulares) -, razão pela qual sua posse como ministra foi liminarmente suspensa por uma decisão em recurso apresentado junto ao Tribunal Regional do Trabalho.

O argumento é a (óbvia) ausência de moralidade administrativa – um dos princípios constitucionais mais importantes do funcionalismo público – na conduta de Cristiane.

Mas em um país sem democracia, você sabe, ninguém se importa com Princípios Constitucionais, tampouco com moralidade.

A Advocacia Geral da União, que deveria ser a segunda a defender a Constituição Federal – os primeiros deveriam ser os Ministros do STF, que, em vez disso, corroboraram com um golpe parlamentar – recorreu à decisão de suspensão mais do que rapidamente.

“Quem tem amigos com costas quentes, tem tudo”, quase posso ouvir comentarem pai e filha no café da manhã, certos de que a Constituição Federal não impedirá a posse de uma condenada por dívidas trabalhistas no Ministério do Trabalho, porquanto não impediu que uma presidente isenta de crime de responsabilidade sofresse impeachment.

“Mas o que é um peido pra quem tá todo cagado?”, diria o meu pai, muito brasileiro.

Que mal há, no país do desmantelamento dos direitos trabalhistas, que um condenado indique outra condenada para o Ministério do Trabalho?

Quem ornaria com um governo ilegítimo e inimigo do trabalhador?

Uma condenada por dívidas trabalhistas indicada por um condenado por corrupção que por acaso é o seu pai, é claro.

Mas ainda não terminamos por hoje.

Caso a deputada assuma o Ministério do Trabalho – e quem duvida que, cedo ou tarde, assumirá? – seu lugar na Câmara será assumido por seu suplente, Nelson Nahim, preso em junho de 2016 sob acusação de fazer parte de uma rede de pedófilos.

O ilibado suplente é irmão do também ilibadíssimo Anthony Garotinho – tá tudo em casa.

Parece piada, mas o riso do brasileiro é de desespero.

Não temos um governo, temos uma quadrilha – com o STF, com a AGU, com tudo

Por Nathali Macedo, no DCM

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

E aí o que achou do “horário político no faustão”?. "Coisas” da globo...

Tem uma frasezinha de Eça de Queiroz: “Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo”.

Embora pareça interessante, ela só é parcialmente correta, já que a avaliar por ‘muitas trocas’ que veem sendo feitas por aí...

A saída, a única, é a informação, e a tarefa que parece difícil, mas é essencial, que seria a de acompanhar os ’seus’ candidatos durante a sua ‘vida parlamentar’, se deputados, senadores e vereadores, ou administrativa, prefeito, governadores e presidentes... Parece um ‘saco’ não?

Mas, é essencial já que a vida de um país, e a sua, nossa, tem tudo a ver com esta ‘tarefinha’...

Os presumíveis candidatos do psdb às eleições presidenciais de 2018, por exemplo... Se gritar “pega”, não sobra nenhum... Tem cada ‘figurinha... ’.

A aposta de globo, por exemplo...

Viu o novo horário político ‘da’ globo? O “eleições no faustão”?*

Nesse artigo abaixo vai conferir que falar é bem fácil, sobretudo quando se tem uma plateia cativa... Ia dizer alienada, para ouvir e aplaudir... E o pior... Votar...
 “Luciano Huck perde briga para proibir acesso público a praia 'particular'
Em junho de 2009 o ex-governador do Rio Sérgio Cabral liberou as regras para construções em áreas de preservação ambiental em Angra dos Reis. Decreto ficou conhecido como "Lei Luciano Huck".

Em 2011, a juíza da 1ª Vara Federal de Angra dos Reis, Maria de Lourdes Coutinho Tavares, condenou o apresentador Luciano Huck a pagar R$ 40 mil por cercar com boias e redes a faixa costeira ao longo de sua mansão na Ilha das Palmeiras, em Angra dos Reis, litoral sul do Rio de Janeiro, sem autorização ambiental. O global alegou apenas que o fizera "sob o propósito de exercício futuro de atividade de maricultura". 

Na sentença, a juíza alegou que "a motivação da colocação do cerco é outra que não a atividade de criar mariscos, ou seja, a maricultura seria um pretexto para legitimar a pretensão não acolhida pela lei, de apoderamento de bem de uso comum do povo". Ou seja, o chamado bom mocismo típico da classe média não queria que ninguém tivesse acesso a "sua" praia particular.

A juíza determinou ainda que Huck retirasse as boias e pagasse indenização por danos materiais e imateriais, além de multa diária caso descumprisse a decisão. Inconformado com a sentença, Luciano Huck recorreu e, em segunda instância, foi novamente condenado.

O apresentador recorreu então ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), por achar, segundo declarou, muito alto o valor da multa aplicada.  Brigou durante sete anos na Justiça para tentar escapar da multa ambiental.

Sem sucesso. Na quinta-feira (16), o Ministério Público Federal (MPF) exigiu que o apresentador da TV Globo pague multa de R$ 40 mil.

Em manifestação ao STJ, a Procuradoria Regional da República da 2ª Região defende a rejeição do recurso de Huck por tratar-se apenas de "medida de inconformismo, caracterizando mera insatisfação do réu com a sentença".

Essa não foi a primeira vez que Huck já foi acionado na Justiça por chamar de seu o que é patrimônio público e ambiental. Em 2006, ele foi denunciado pelo MPF porque sua mansão na Ilha das Palmeiras foi construída sobre um espelho-d’água cercado por rochas e por ter erguido um muro com cerca de dez metros de altura. Ele também mandou fazer diques para a formação de uma praia artificial. No entanto, conseguiu escapar da Justiça, alegando que a construção original, de 1971, foi concluída antes da entrada em vigor da legislação atual, e que ele apenas reformara a casa que lá já estava.

Em junho de 2009, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB/RJ) liberou as regras para construções em áreas de preservação ambiental em Angra e outras regiões do estado. O decreto, de número 41.921, ficou conhecido como "Lei Luciano Huck", porque teria sido feito para beneficiar o apresentador da Globo.

Por Helena Sthephanowitz, para a RBA (Publicado 19/02/2017)


Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

O desespero do psdb por um candidatinho, pelo amor de deus (entre aspas)

Esse é o Paulo Henrique Amorim em seu estilo “sui generis” , quando via ironia única trata dos temas “intestinos” do cenário político brasileiro, já que o dito cujo que, hipoteticamente, estaria mais para choros e velas...

Mas, é bem melhor para a saúde ‘levar com leveza’ e ficar de olho aberto, também para orientar o próprio voto...

Isso, ou isto? Para quem a estas ‘alturas do campeonato’ ainda tem duvidas...
“FHC sabe quem vai apunhalar o Alckmin pelas costas
Ele mesmo, o FHC...

Sociólogo do Golpe, o Príncipe da Privataria, o regente da Privataria Tucana, o Farol de Alexandria comete o primeiro artigo de 2018 no Globo Overseas e num outro "jornal" que vive em comatoso estado.

Como sempre, se trata de texto lambuzado de colesterol e ferido de platitudes cortantes.

Começa assim:

"Começo de ano. A praxe indica que nestas (sic) ocasiões é melhor expressar os desejos (sic) de um próximo ano melhor...

Um prodíjio!

Como dizem o Jessé Souza e o Barão de Itararé, de onde menos se espera daí mesmo é que não sai nada!

Depois ele trata dos criminosos do colarinho branco, sem mencionar aqueles que, segundo ele mesmo, foram vítimas dos cartéis malvados no trensalão tucano e no Robanel Tungano (para ele, o Paulo Afrodescendente está mais para a Antropologia do que para o Código de Processo Penal...).

Depois, o Farol ilumina o Bolsa Família e assegura que foi ele quem criou quando era um programa inocente, mas o lulo-petismo o tranformou em pecado eleitoral...
No fim, ele revela a secreta essência dessa mensagem de Ano Novo.

Ele aponta os que vão apunhalar o Santo do Alckmin pelas costas.

(Como se sabe, os dois se esbofetearam em público, o FHC recuou e, como previu o ansioso blogueirono dia seguinte ele se desdisse.)

Nesse (e não "neste") domingo, ele mata o Santo:

"Com esperança, e falo simbolicamente (?), as forças representadas (ou que os adiante mencionados gostariam de representar - sic) por Alckmin, Marina (aqui conhecida como Bláblárina, a fadinha da floresta), Meirelles, Joaquim Barbosa precisam entender que os riscos se transformam em realidade pela inércia, a covardia ou pela falta de visão dos que poderiam a eles se opor (quem entender ganha de presente os livros do Historialista)

Esses ou outros, como ele mesmo diz.

"Outros" pode ser também o Luciano Huck que não conseguiu ser candidato por que o Itaúúúúú não quis, mas que prefere manter seu nome nas pesquisas...

O FHC topa qualquer um.

Menos o Santo!


Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

O golpe valeu a pena para 1% da população. Se está incluído... Bom pra você!

E pensar que tem gente pensando – aliás, como eu – que ‘depois de tanta água que rolou, e vem rolando, por baixo da ponte’, com todas as medidas e ações feitas, e que vem fazendo, pelo golpe, afetando seriamente o Brasil, e, sobretudo a vida das pessoas no curto, médio e longo prazo, que ‘falas’ assim não seriam mais vistas’ ou ouvidas.

Que o dito ‘coxinha’ – para me limitar em adjetivos... – tinha caído na real e se recuperado da manipulação da mídia, que engendrou tudo isto nos corações mentes dos manifestantes, a estas alturas estaria com a “sua panela no saco...”.
Como pode ver neste comentário feito no artigo abaixo, publicado por Leonardo Boff... Doce ilusão!

Hmberto PERMALINK
22/12/2017 14:11
Não entendi, uma coisa. Que golpe? Onde houve golpe? Quando?Quem deu golpe? Explique melhor, pois o que sabemos é que foi afastada do governo a presidente que nunca deveria ter sido eleita, que faz parte de uma quadrilha que se adonou do governo em proveito próprio e que iludiu a população brasileira com mentiras.*

“O golpe valeu a pena para 1% da população:Manfredo de Oliveira

MANFREDO DE OLIVEIRA é  brilhante professor de filosofia da Universidade Federal do Ceará. Sua filosofia aborda preferentemente temas de política e ética acompanhando a produção acadêmica mais séria daqui e de fora. É uma das inteligências mais lúcidas que temos no campo da filosofia política e da ética, além de dominar o campo da teologia. Depois que se passou  um ano do que se perpetrou contra a Presidenta Dilma Rousseff temos a distância suficiente e os dados necessários pasra considerar os reais propósitos do assim chamado golope jurídico-parlamentar-mediático ocorrido em 2016. É importante termos esclarecimentos sobre esta situação que é recorrente em nossa história, especialmente o que faz a oligarquia brasileira quando se sente ameaçada pela ascensão das classes populares marginlizadas que querem mais participação na sociedade e na riqueza gerada pelo seu trabalho. O texto foi publicado pelo Instituto Humanitas de Unisinos do dia 20/12/17  sob o título Valeu a pena? Lboff
****
“O ano se aproxima do fim e a direção que está sendo dada ao país está tornando possível às pessoas entenderem que o que estava em jogo no afastamento do governo anterior era, na realidade, mais uma versão de uma característica do Brasil marcado, desde a primeira metade do século XX, pelas mudanças estruturais das sociedades modernas”, escreve Manfredo Araújo de Oliveira, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Como afirma Jessé Souza: “… a vida política do Brasil, desde então, é dominada por golpes de Estado movidos pela elite do dinheiro com o apoio da imprensa e da base social da classe média, sempre que a soberania popular ameaçar ou efetivar, por pouco que seja, interesses das classes populares”. Trata-se sempre de um amplo acordo de interesses entre as diversas elites que agora é comandado pela elite financeira.

Por isto, o primeiro interesse a ser considerado é o interesse econômico uma vez que a elite econômica pode comprar todas as outras elites através de diferentes estratégias. Por exemplo, ela apoiou sua sócia no saque da sociedade, que é a mídia, e tentou comprar as eleições através do financiamento das campanhas e pela cooptação de um aliado de ocasião dentro do Estado, o aparato jurídico-policial. Para ele, o golpe não teria acontecido sem a politização do judiciário o que agora aparece em nova luz: a Constituição é deixada de lado, direitos são negados. Isto faz aparecer a natureza do que se articulou: a junção de capitalismo selvagem de rapina e do enfraquecimento das garantias democráticas. A execução do plano foi um jogo de mestres: em nome da justiça e da moralidade se fez um violento ataque à democracia e às garantias constitucionais. Uma vez consumado o golpe, todos os interesses articulados partem para a rapina e o saque do espólio: vender as riquezas brasileiras, em primeiro lugar o petróleo, cortar gastos sociais já que o que vale primeiro é o interesse do 1% mais rico.

Onde ficam os pobres neste projeto? No esquecimento, na marginalidade, com salários aviltantes por serviços à classe média e às empresas dos endinheirados. Os juros bancários estão entre os maiores do mundo e constituem uma espécie de taxa universal que se adiciona a todos os preços de mercado, pesando arbitrariamente sobre todas as classes sociais, proporcionalmente mais sobre os pobres, a fim de drenar o produto do trabalho de todos para o bolso da elite do dinheiro. Como diz Dowbor: “Os bancos e outros intermediários financeiros demoraram pouco para aprender a drenar o aumento da capacidade de compra do andar de baixo da economia, esterilizando em grande parte o processo redistributivo e a dinâmica e o crescimento estimulado  pela demanda”.

Esta é, diz Jessé, a verdadeira “corrupção brasileira”, escandalosa, mas invisível, que faz com que o trabalho de todos vá parar no bolso de menos de 1% e privilegiados “que não apenas vampirizam a sociedade e sua capacidade produtiva, mas colonizam a democracia e a sociedade para seus fins”. Estes podem afirmar tranquilos: o golpe valeu a pena!


* Veja a resposta do Leonardo Boff, aqui

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações


*